fbpx

Texto “A Única Verdade” Compartilhado por Bolsonaro no Whatsapp

Já recebi tantas vezes o texto “A Única Verdade” como compartilhado por Bolsonaro no Whatsapp que decidi publicar aqui.

Texto compartilhado por Bolsonaro no Whatsapp

A ÚNICA VERDADE

– A Rússia não é a União Sovietica;
– Vladimir Putin não é Stalin;
– USA não é mais uma nação virtuosa;

– Só existe a Rússia, a China e a Liga Árabe capaz de enfrentar a NOM (Nova Ordem Mundial);
– O comunismo tem outro nome, se chama Progressismo e seu berço é a Europa;

– O Brasil está no radar da NOM e de toda a esquerda. Três ministros do STF e a mídia brasileira (via fraude eleitoral), estão prontos a entregá-lo pela metade do preço que o presidente da Ucrânia entregou seu país;

– Os mesmos que desejam que o Presidente brasileiro tome uma posição firme no conflito Rússia X Ucrânia, são aqueles que desejam tomar de nós a Amazônia.

– Se Bolsonaro não tivesse corrido para fazer aliança com Putin (fertilizantes, …), nem eleições teríamos;
– Tirem as máscaras de pano e as que encobrem a verdade!!

– Pela primeira vez na vida, encarem a realidade nua e crua – a NOM está pronta para instalar um governo hegemônico mundial e o Brasil será a horta dele!!

– O comunismo se transmutou, voltou para o seu berço europeu, agora não prega mais lutas de classes e sim pautas, como as do preconceito, minorias, sexuais, machismo …

– Prega a morte de Deus e a submissão de todas as nações a uma minoria com poder e dinheiro capaz de submeter toda a humanidade!

– Chega de cegueira! Canadá já caiu! França, Inglaterra, Alemanha e agora os USA, são apenas vassalos da NOM!

– Apoiemos e confiemos no nosso Presidente nas suas decisões ou seremos aniquilados como nação! 🇧🇷

(fim do texto)

Alguns pontos:

  • Apenas um Analfabeto funcional acredita que ditaduras como a Rússia e os países árabes são melhores do que Estados Unidos e Europa. Se Bolsonaro compartilhou, é por que acredita nisso
  • a Nova Ordem Mundial (ou NOM) nada mais é do que o mundo globalizado que surgiu depois que a União Soviética apodreceu. Se você gosta de ver filmes de Hollywood, ouvir músicas no celular ou usar internet, você é fruto da NOM
  • “Tire suas Máscaras de pano” uau, como o autor é liberal. sic.
  • Muitas baboseiras como todos os países ricos e livres hoje são “comunistas”, enquanto que a única salvação seriam ditaduras cruéis e atrasadas.

Conclusão sobre “A Única Verdade”

Entendo que é uma tentativa de justificar a absurda amizade com um ditador que está tentando destruir um país (a Ucrânia). Putin e sua cara de gelo pode ser qualquer coisa que escrevermos a respeito, porém com certeza não é conservador, não é de direita e não é a esperança do mundo livre.

 

Capitalismo gera escassez? Não, é ao contrário

Alguns influencers esquerdistas gostam de repetir a ladainha que o capitalismo geraria escassez artificialmente, para aumentar a margem de lucro dos produtores. Ora, isso é tão falso quanto dizer que a terra é plana e vacinas não funcionam. Entendo que que quem fala e repete esse tipo de groselha não tem moral alguma para criticar bolsominions e outros fãs de políticos.

Vejamos o que acontece na imagem abaixo


Na versão maluca do mundo contada pelos socialistas, uma pessoa que vende o excedente da sua produção estaria estimulando a escassez para aumentar o seu lucro. Isso está tão errado, mas tão errado que a própria afirmação já se contradiz.

Por outro lado ACONTECE SIM de monopólios controlarem os preços. Algumas pessoas apontaram corretamente que fato sim vários casos em que um produtor gera uma escassez artificial para aumentar os preços. Entre os vários casos citados, há pelo menos 2 cenários em que isso ocorre de forma totalmente monopolista, prejudicial ao consumidor.

O 1º exemplo trata-se de remédios protegidos por patentes, veja o caso da farmacêutica Valeant, conhecida por comprar remédios para doenças raras e aumentar o preço em 20x. Maior parte dos países considera que patentes de remédios são necessárias para remunerar adequadamente as empresas que desenvolvem remédios. Dessa forma, é uma compensação pelos investimentos altos demandados por essa indústria. Outras indústrias com alta necessidade de capital e tecnologia costumam ser monopolistas ou quase isso.

O 2º exemplo é o da mineradora De Beers, que detém 90% da produção e venda de diamantes. Dizem as más linguas que a produção de diamantes é muito superior à demanda, porém a mineradora coloca todos em um cofre para manter os valores altos artificialmente. É um tipo de produto supérfluo que possui um substituto artificial para as aplicações industriais. Ou seja, ninguém se importa.

O problema então é usar casos bem específicos para generalizar. Simplesmente não ocorre de um produtor de arroz, ou de carros ou frigorífico conseguir manipular o preço de um produto ou serviço controlando a escassez. Mesmo no caso do petróleo isso não ocorre mais. Quando a OPEP decide cortar sua produção para “ganhar mais”, na prática o ganho é de todas as petroleiras globais que mantém a produção. Ademais, se o preço sobe muito passa a ser viável explorar jazidas que antes não eram economicamente viáveis.

Qual é o problema com a generalização?

Digamos que 0,01% das empresas globais tenham a capacidade de controlar a escassez do seu produto para aumentar os lucros. Faz sentido usar 1 caso em 10.000 para descrever todas as empresas capitalistas? Claro que não. É uma generalização tosca e sem sentido, que só tem significado porque as pessoas estão chateadas com os altos preços da gasolina.

Escassez X lucro

Existe um fato notável. Nenhum fabricante de produtos deseja produzir MAIS do que o necessário para atender o mercado. Manter um estoque parado com produto excedente gera prejuízo, especialmente se for preciso vendê-lo com fortes descontos mais adiante. Afirmar que “o capitalismo não funciona porque o produtor gera escassez artificialmente” é sim tão imbecil quanto afirmar que a Terra é plana

Márcio Miranda Maia: ICMS/ST É um imposto perverso, deletério

Conversei com o advogado tributarista Márcio Miranda Maia sobre um dos piores impostos do lunático sistema tributário brasileiro. É o ICMS/ST, uma ferramenta de arrecadação que permite aos estados antecipar o ICMS devido na fonte, seja indústria ou distribuidor.

Ou seja, o varejista paga o ICMS na hora em que compra o produto ao invés de pagar depois da venda.

Veja a entrevista em vídeo

Quem é Márcio Miranda Maia?

Advogado tributarista, sócio-proprietário da Maia e Anjos, ex-auditor fiscal em São Paulo e Santa Catarina.

Destaques da entrevista com Márcio Miranda Maia

ICMS/ST é um imposto perverso, deletério

Segundo o Dr Márcio Miranda Maia, esse mecanismo do ICMS/ST é um imposto perverso, por antecipar em vários meses (às vezes até anos) a arrecadação de tributos. “É um dinheiro que sai da sociedade para manter o estado”, conta.

E ainda piora. Como o estado recebe MUITO ANTES os valores de tributos, mesmo que o produto estrague ou seja vendido em promoção, o imposto já foi pago por um valor calculado previamente pelo Estado.

ICMS/ST também é um imposto injusto

Por jogar o ônus da fiscalização para as indústria, aumenta a dificuldade destas em calcular impostos e competir. Uma categoria altamente regulada por ICMS/ST, por exemplo, representa uma barreira de entrada para novas indústrias. 

Ou seja, o ICMS/ST inibe a criação de novas indústrias por exigir mais esforço de contabilidade. Como cada estado tem uma regra tributária diferente, mesmo uma indústria pequena precisa estar preparada para acompanhar a legislação tributária de cada unidade federativa. 

ICMS/ST também é um imposto deletério

Além de injusto e perverso, há ainda os casos de estados que não possuem um processo claro para devolver ao contribuinte os impostos pago a mais, que é a regra no ST. Isso ocorre porque para calcular o ST, os estados pesquisam a média de preço praticada no mercado. Então quem vende mais barato ou em promoção, paga mais impostos.

“O imposto é quase sempre cobrado a mais, fazendo com que sempre se tenha valores a receber”, conta Dr Márcio. “Porém há estados que sequer devolvem os valores pagos a mais”. O pior caso, segundo ele, é do Rio de Janeiro.

Todo o mercado perde com a ICMS/ST

O efeito do ICMS/ST no mercado é terrível. Além de aumentar o custo Brasil de cálculo de impostos, além de subtrair dinheiro do mercado para manter o estado de forma injusta, ele ainda penaliza mais as empresas pequenas e quem vende mais barato.

Verticalização: cidades mais altas são mais verdes

Esqueça tudo o que seu amigo hipster fala sobre organização urbana. É sabido há muitos séculos que cidades densas são mais eficientes e geram mais qualidade de vida para a população. Sim, cidades mais altas, concentradas, compactas são melhores para o meio ambiente.

Veja o vídeo

 

O fato é que as cidades nasceram como locais em que a população se concentrava para fazer negócios, comprar e vender bens e assim por diante. Por isso que maior parte das cidades se organizava em torno de uma praça central onde tradicionalmente se fazia a feira.

Ali ao redor normalmente tinha um ou mais templos que, dependendo do deus, podia envolver algum tipo de comércio, serviço ou oferenda.

E assim, ao longo dos anos as cidades foram crescendo com as pessoas morando em volta das praças. Antes da invenção do saneamento urbano as cidades eram fedidas e seus moradores morriam cedo. E como sabemos, quase todas as cidades brasileiras de hoje em dia possuem esgoto, eletricidade e água encanada. Então esse problema foi resolvido e as cidades poderiam ser usadas para o que realmente importa.

E esse é o ponto principal deste artigo.

A função de uma cidade é facilitar a troca de bens e serviços entre as pessoas. É por isso que todo mundo ficava junto e empilhado em Jericó há 10 mil anos, apesar do risco de morrer em uma epidemia. E é pelo mesmo motivo que tanta gente mora em Rio ou São Paulo hoje.

Mas aí vem algumas inovações como o transporte coletivo por meio de bondes ou ônibus e especialmente o automóvel. Com a popularização dessas invenções foi possível que pessoas com casas a quilômetros do centro participassem da vida econômica. Isso foi revolucionário. Permitiu a criação de bairros distantes do centro.

Essa “inovação” veio por um preço. Claro, sempre tem um preço.

As cidades foram ficando cada vez maiores. Afinal, quem não quer morar em um lugar arborizado onde cantam os pintassilgos? Sem falar que os terrenos eram mais baratos e as pessoas poderiam morar em casas maiores, mais amplas.

Inegavelmente, é muito melhor do que morar no centro das cidades com aquele cheio constante de sarjeta e óleo diesel. E óleo de dendê, se você estiver em Salvador.

Essa suburbanização foi um desastre para o meio ambiente, sem falar na imensa perda de tempo e recursos empregados no trânsito. A expansão das cidades destruiu habitats e mananciais mundo afora. Gerou perdas de tempo gigantescas em engarrafamentos e destruição de recursos escassos, como combustíveis.

Bairros: perda econômica e ambiental
Bairros: perda econômica e ambiental

É óbvio ululante que não estou falando apenas do Brasil. Este fenômeno aconteceu no mundo todo.

E eis que mês passado o prefeito de Porto Alegre anunciou uma mudança grande no Plano Diretor. Agora, se poderá construir prédios de até 200 metros de altura na área mais central da cidade.

Pela proposta, serão liberados 1,180 milhão de metros quadrados em potencial construtivo, ou seja, o quanto se pode construir em cada terreno. Aquelas empresas que investirem no Centro Histórico poderão ter direito a comprar potencial construtivo em regiões mais valorizadas, onde não há mais estoque desse potencial.

Além disso, o projeto prevê isenção do pagamento para construir além do limite preestabelecido para cada terreno, nos primeiros três anos, na área junto às avenidas Mauá, Júlio de Castilhos e Voluntários da Pátria. Também haverá permissão para construção de passarelas e esplanadas entre os prédios e o Cais Mauá, por cima da linha da Trensurb. Veja a notícia.

Além disso, há outras mudanças que permitirão dobrar a quantidade de residentes no centro histórico. Que é a área da cidade com o melhor acesso a transporte coletivo. Com melhor saneamento. Melhores escolas e menor necessidade de usar carros para deslocamento.

E também com as melhores praças, museus e restaurantes.

Cidade vertical bela e moral
Cidade vertical bela e moral

Ora, muita gente critica as cidades muito verticais, dizendo que elas possuem pouca ventilação, pouca insolação, pouca privacidade e mesmo pouco espaço para carros transitarem.

Isso tudo é verdade, agora é preciso comparar com uma cidade horizontal. Um cidade apenas com casas ou prédios baixos naturalmente tem mais espaço para árvores, ventilação e solo mais permeável à água. Por outro lado ela precisa de muito mais terra para existir. E como as distâncias são maiores, a necessidade de transporte coletivo (como ônibus) ou particular (como carros, motos e bicicletas) é muito maior.

Normalmente, nos bairros mais horizontais não se vê engarrafamento. Pois os carros e ônibus estão indo em direção ao centro. O engarrafamento que vemos na zona central das cidades normalmente acontece porque os moradores dos bairros distantes precisam chegar no centro

Pense bem, Nunca são os moradores do centro que precisam sair em massa para trabalhar nos bairros!

Esse sistema de cidade horizontal gera uma perda de produtividade imensa. Pense em todo o tempo e dinheiro gasto com deslocamentos, e em fazer praças ou escolas em bairros distantes que ficarão desertas. O saneamento básico então, nem se fala. è um desafio estender a rede de esgoto para os bairros distantes.

Pergunto então, devemos sonhar com cidades mais densas, mais concentradas, em que as pessoas podem fazer mais coisas a pé sem precisar tanto deslocamento e destruição? Comente aí.

Utopia: O que é e para que serve?

Utopia é uma palavra que vem do grego e significa, literalmente, lugar nenhum. “u” seria a negação, “topia” é lugar. O termo foi criado pelo filósofo Thomas More no seu clássico livro “Utopia” de 1516 para descrever um lugar que ele julgava ser o ideal conforme seu conjunto particular de crenças.

Normalmente as pessoas que usam a palavra utopia querem se referenciar a algo paradisíaco, em que todos são felizes e vivem em harmonia. Algo que, por definição, não existe em lugar nenhum por um conjunto bem variado de razões.

Utopia em vídeo

Como é a utopia original?

No seu livro de 1516 Thomas More foi inspirado por relatos de navegadores e se dedica a descrever em detalhes esse lugar incrível. Eu fico fascinado como Thomas More dá importância a detalhes que hoje parecem pouco importantes, como a geografia e a simetria entre as cidades e famílias.

“A ilha era, originalmente, uma península, mas um canal com quinze milhas de largura foi escavado pelo fundador da comunidade, o rei Utopos, para separar a ilha do continente. A ilha possui 54 cidades. Cada cidade é dividida em quatro partes iguais. A capital é a cidade de Amaurot, que se localiza bem no centro da ilha.

Cada cidade possui 6 000 famílias, sendo que cada família é constituída por entre dez e dezesseis adultos. Cada grupo de trinta famílias elege um Syphograntus (que Morus diz que atualmente é chamado de filarco). Cada grupo de dez Syphogranti, por sua vez, elege um Traniborus (que é atualmente chamado de protofilarco) para comandá-lo. Os duzentos Syphogranti de uma cidade elegem um príncipe através de voto secreto. O príncipe reina pela vida toda a não ser que seja deposto por suspeita de tirania. “

Da Wikipedia

A utopia dele também tinha ampla liberdade religiosa, os políticos agiam pensando no bem-estar dos cidadãos e as pessoas não usavam qualquer tipo de dinheiro nem possuíam propriedade privada, pois entendiam que isso era incompatível com o estado de felicidade desejado.

Qual o problema com Utopia?

É natural que as pessoas se perguntem como seria um mundo ideal. Desejável até, afinal sonhar não custa nada. O problema mesmo veio nas oportunidades de executar a sociedade ideal, normalmente na esteira de uma revolução. Praticamente todas as tentativas de criar sociedades utópicas acabaram trazendo miséria, caos e destruição.

O caso mais emblemático talvez seja a extinta URSS, fundada por ideias comunistas, que almejava uma sociedade igualitária em que cada um receberia o que é seu por necessidade. No final, se tornou uma grande prisão para quase 300 milhões de pessoas subjugadas a uma burocracia tecnocrática e cruel.

Mas por que a URSS e todas as sociedades utópícas fracassaram? Muitas pessoas dizem que o erro foi ter executado o plano da forma errada. Teria sido incompetência, portanto, nunca problemas no plano utópico. Eles acham que os sonhos de Marx e Lenin estavam certos e foram deturpados.

O problema na realidade é um erro básico de estratégia. Como falamos no artigo de estratégia, a abordagem mais eficiente para executar algo difícil é criar planos e mais planos, sabendo alternar entre eles e sempre mantendo o objetivo. Leia o artigo sobre estratégia.

Porém o que acontece quando se executa o plano, por exemplo uma sociedade planificada, e as pessoas ainda são infelizes e desejam escapar? Claramente havia um problema no objetivo e ninguém conseguia alterar ele, pois os críticos do modelo eram considerados perigosos contra-revolucionários e enviados para Gulags ou assassinados.

A solução evidente talvez seja o que estamos vendo hoje em dia na China e Vietnã. Muito embora sejam sociedades comunistas, já não tem a economia planificada e permitem uma dose bastante grande de liberdade a seus cidadãos, quando comparado com regimes mais tradicionais como Cuba e Arábia Saudita. Chineses podem abrir empresas, acumular capital, viajar para outros países, comprar estatais de outros países e muitas outras coisas que os soviéticos não podiam.

Isso não é um elogio a China, que ainda permanece solidamente uma ditadura por restringir os direitos políticos e civis dos seus cidadãos. Apenas ressalte-se que o país não está mais buscando uma utopia planejada por um gênio visionário, mas sim seu próprio caminho desenhado aos poucos em cada encontro do PCC.

Utopia a nível pessoal, uma analogia

Gurus de auto-ajuda vão dizer que a fórmula da felicidade inclui 3 refeições balanceadas, 30 minutos de exercício e dormir 8 horas por dia. Quem fizer isso direitinho por alguns anos poderá tomar 1 cálice de vinho por dia. Uau. Que. Vidão.

Esse tipo de utopia, ou projeção, acaba ditando o que entendemos por felicidade. Quem não dorme 8 horas por dia ou não gosta de tomar café da manhã, logicamente não é normal. E ficará sem o cálice de vinho!

Porém as pessoas são todas diferentes. Algumas pessoas tem sono polifásico, que era muito comum até todas as casas serem eletrificadas. Brigar contra sua natureza pessoal é, a nível individual, o mesmo que impedir as pessoas a terem propriedades ou casarem com quem quiserem.

Utopia, uma estratégia para uma vida feliz

Com base no registro histórico dos países, os mais felizes e desenvolvidos são aqueles que permitem a seus cidadãos serem que eles querem ser. Quer ser bilionário ou bailarino? Trabalhe duro, seja criativo, arrisque sua sorte e talvez atingir seu sonho. Quer ser mendigo, maconheiro ou viver de auxílio do governo? Pode ser também, desde que não incomode ninguém.

Será que é válido usar essa experiência social como base para a vida pessoal? Seriam mais felizes as pessoas que aprendem a viver e se permitem mudar sua fórmula de vida conforme o contexto ou desejos? Seriam as pessoas birutas mais felizes? Biruta nesse caso, é uma pessoa que pode seguir para qualquer lado conforme o vento. São pessoas que se permitem mudar de posição ou opinião, mantendo apenas seus princípios fundadores.

Uma sociedade, por exemplo, pode em algum momento achar que homossexualismo é crime e alguns anos depois mudar tanto a ponto de permitir o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. Isso aconteceu no Reino Unido, onde até 1967 era crime gostar de pessoas do mesmo sexo e em 2013 permitiu que tivessem os mesmos direitos que todos.

Sociedades utópicas X conservadoras

Do ponto de vista conservador, faz mais sentido ir aos poucos adaptando a sociedade para quem vive nela, ao invés do oposto. Esse costuma ser o problema das utopias. Elas partem de premissas que NÃO são ótimas para todo mundo, o tempo todo. Simplesmente é impossível agradar a todos. E, como mostram os princípios conservadores, na prática isso é desnecessário desde que você permita que as coisas mudem aos poucos e de forma segura, sem rupturas.

Como se viu nos “paraísos utópicos” socialistas do século XX, as pessoas mais talentosas achavam injusto não poderem usufruir de uma qualidade de vida comparável às suas habilidades. A quantidade de pessoas ultra-talentosas que fugiram das utopias é grande e desproporcional em relação ao caminho inverso.

Veja a lista completa na Wikipedia.

Utopia, como usar para viver melhor

Partindo da premissa de que sonhar é bom e sim devemos idealizar um mundo melhor, como podemos alcançar ideias utópicos sem incorrer nos erros do passado? Se esse artigo valeu de algo, fica a dica de que cada um pode e deve buscar seu próprio caminho para a felicidade sem com isso forçar seu ideal aos outros.

Nenhum liberal ou conservador se importa de verdade que as pessoas vivam do seu jeito, por exemplo casando com quem quiser ou consumindo as drogas que desejar. Desde que isso, vale deixar claro, não impacte negativamente na vida dos outros.

Ao se consumir drogas ilegais, por exemplo, acaba-se por financiar criminosos, contrabandistas e policiais corruptos. Isso é claramente inaceitável, porém do ponto de vista conservador o problema de fato está na ilegalidade e não no consumo. Não me importa o que os outros fazem, desde que não me incomodem.

Do ponto de vista socialista, existem vários e vários experimentos sociais em que pessoas vivem em comunidades igualitárias. Devido a seu tamanho reduzido a algumas centenas de pessoas e a ampla liberdade para participar ou não das comunidades, são bastante bem-sucedidos no que se propõem. Os Kibutz israelenses são comumente citados como exemplos, mas no Brasil temos casos extensos de cooperativas agrícolas extremamente bem-sucedidas que garantem uma qualidade de vida muito boa.

Para o futuro da sociedade me parece interessante permitir modelos sociais variados e criativos, que façam sentido para aquelas pessoas, aquela região e aquele contexto histórico. Empurrar apenas uma forma de viver inevitavelmente trará descontentamento e infelicidade.

Como acabar com a ICMS-ST

Como acabar com a ICMS-ST? Ontem, 22/7/2021, declaramos guerra contra o ICMS-ST. No Meet privado com o deputado Giuseppe Riesgo e vários empresários entendemos um pouco mais o absurdo do absurdo que é o ICMS-ST. Deixa eu explicar aqui tudo que aconteceu.

Veja o vídeo

Quatro pontos para entender o ICMS-ST

O 1º ponto é que o governo do RS está aumentando a lista de itens dentro do ICMS-ST por pura conveniência. Conveniência dele, é claro. As pessoas responsáveis para fiscalizar o governo e interromper esse absurdo não entendem patavinas do assunto, que é muito técnico, e não agem para impedir.

Deixa eu repetir. Os deputados não entendem nada do assunto, por isso não conseguem impedir o governo de aplicar uma política tributária injusta e desigual. Com isso, aí o governo do estado fica livre, leve e solto e para sacanear nossa vida. Se você concorda com isso, feche essa aba agora.

O 2º ponto é que o governo está sempre mudando a base de cálculo do ICMS-ST, pois por lei ela depende da margem de lucro aplicada no varejo. Veja, o governo tem um trabalhão para calcular isso e complicar imensamente a operação de pequenas indústrias, que precisam conferir as alíquotas por NCM em cada venda.

Mas a vida dos varejistas fica ainda mais complicada. Imagine você vender 3 unidades de um produto, cada um com um valor de ICMS-ST diferente. Qual valor usará para deduzir do imposto a pagar?

É um caos absoluto.

O 3º ponto é que o ICMS-ST não é de todo ruim. Há setores muito concentrados em poucas indústrias, como combustíveis e bebidas em que realmente faz sentido cobrar ST. Os varejistas acham bom. Sem falar que não há tanta variação na margem dos produtos. Por outro lado, todos os outros segmentos devem ser retirados da lista de ST, por ser um desserviço para o estado.

Veja, no meet o dono de uma sex shop falou das suas dificuldades. E eu fiquei pensando no esforço do estado para calcular a margem de lucro das pirocas e vibradores que ele vende. Definitivamente esse não é o papel do estado

O 4º ponto é que acabar com o ICMS-ST não fará automaticamente a arrecadação cair. Nem aumentar. Apenas deixará mais simples, barato e justo ter empresa no Rio Grande do Sul.

Ok, e como acabar com o ICMS-ST?

Considerando que os deputados não conhecem nada, teremos de fazer com que saibam. No nosso grupo vamos organizar pressão política sobre os deputados para convencê-los da importância da pauta e também explicar os motivos para acabar com isso. Não vai ser fácil e vamos precisar de ajuda.

Você também odeia o ICMS-ST? quer ajudar na guerra? Então você deve preencher o formulário abaixo com seus dados. Depois de preencher você receberá o link para entrar no nosso grupo exclusivo de WhatsApp e receberá convites para os próximos encontros.

Empresas podem demitir quem se recusa a vacinar?

Pela primeira vez, a justiça confirmou o direito de empresas demitir por justa causa um funcionário que se recusou a tomar vacina, quando disponível. As críticas em relação a isso tem sido interessantes.

Por um lado pessoas tem defendido o direito a pessoa não se vacinar por qualquer motivo. Por outro existe o direito evidente da empresa contratar e demitir quem quiser. Neste caso em particular, a empresa presta serviços de limpeza em hospitais, um local mutuamente repleto de vírus e de pessoas doentes.

Ou seja, é evidente que todos os trabalhadores da área da saúde, inclusive da limpeza, devem sim serem vacinados. Mas precisava ser demissão em justa causa?

Segundo a justiça do trabalho sim, neste caso justa causa era cabível.

Em fevereiro deste ano, o Ministério Público do Trabalho (MPT) já tinha orientado que os trabalhadores que se recusassem a tomar vacina contra a covid-19 sem apresentar razões médicas documentadas poderiam ser demitidos por justa causa.

O entendimento do MPT é que as empresas precisam investir em conscientização e negociar com seus funcionários, mas que a mera recusa individual e injustificada à imunização não poderá colocar em risco a saúde dos demais empregados.

Fonte

Transporte público: adivinhe quem paga a conta

O modelo de transporte público no RS é resultado claro do planejamento central. O estado/municópio define algumas empresas que tem o monopólio de servir, elas ganham subsídios e passamos décadas usando dinheiro de impostos para ter linhas de ônibus com passagens baratas.

Porém aparece uma pandemia global que desestimula o uso do transporte coletivo por motivos sanitários. Com isso pessoas trocam os ônibus por home office, bicicleta, uber ou mesmo carros.

E assim o castelo de cartas do transporte subsidiado desmorona deixando o público sem opção. E quem vai pagar a conta para remontar serão todos os gaúchos

Fonte

Manipulação: o que é? Para que serve ? Como fazer?

O que é manipulação? Para que serve ? Como pessoas, grupos ou sociedades são manipulados? Manipulação vem do latim e significa literalmente “ato de tocar ou preparar algo com as mãos”. Ou seja, um padeiro manipula a massa para deixá-la pronta para assar. Mas este artigo não se trata do sentido literal, e sim daquele mais pejorativo que significa “influência negativa sobre um indivíduo ou grupo para levá-lo a alguma finalidade”.

Então por definição, manipulação é sempre uma influência negativa, normalmente sem que a vítima perceba. Entre alguns exemplos de grandes manipulações negativas podemos citar as Cruzadas, em que religiosos manipularam milhares de pessoas a acreditar que todos seus pecados seriam perdoados caso morressem lutando para libertar a Terra Santa. Outro exemplo é o movimento anti-vacina, que conseguiu trazer de volta doenças que estavam praticamente extintas.

Assista o vídeo sobre manipulação

Então para que serve manipulação?

A manipulação serve para o manipulador. Sempre. E o que ele ganha? Depende. No caso das Cruzadas, reis e religiosos que lideraram ganharam prestígio, dinheiro e muitos viraram santos. No caso do movimento anti-vacina, os cientistas que se colocaram contra vacinas eram contratados por farmacêuticas e faziam palestras para mães preocupadas.

De forma mais comum, vemos pessoas sendo manipuladas por publicitários, vendedores e políticos. Todos interessados em alguma coisa que só a vítima pode dar, normalmente dinheiro ou voto, mas em alguns casos a manipulação coloca em risco a vida da vítima.

Como as pessoas e grupos são manipuladas?

Depende muito. A forma mais comum é mentindo. Mentindo descaradamente. E sempre foi assim. Era mentira na antiguidade quando sacerdotes egípcios diziam que o Faraó era um deus vivo para convencer as pessoas a construir túmulos gigantescos de pedra (as pirâmides) e é mentira hoje quando um determinado grupo insiste em promover e distribuir um remédio comprovadamente ineficaz para curar coronavírus. São mentiras repetidas dentro de bolhas de redes sociais que infelizmente muita gente acredita.

A mentira é claro precisa ser elaborada, e se for transmitidas por autoridades tem mais poder. Afinal, quem poderia imaginar que o sacerdote ou o presidente da república são mentirosos? É sacrilégio! Felizmente não estamos mais na antiguidade e sabemos como identificar uma mentira ou manipulação.

Também sabemos que tanto sacerdotes quando políticos mentem muito.

Como identificar uma manipulação ou uma mentira?

Você sabe, mentira tem perna curta. Mesmo assim, uma mentira repetida mil vezes fica parecida com uma verdade. Muito parecida. Pense no esforço que publicitários tem em repetir um slogan. É o mesmo com uma mentira, ela precisa ser repetida muitas e muitas vezes, por pessoas diferentes que normalmente não conseguem se aprofundar no assunto. Quantas vezes um vizinho, amigo ou outra pessoa querida insistiu que a pandemia passaria se todos tomassem cloroquina? São pessoas bem intencionadas manipuladas. Elas tem certeza que é o correto.

Na mentira, as pessoas manipuladas tem certeza absoluta daquilo mesmo sem entender qual a lógica. Há uma crença natural interna, que muitas vezes é validada pelo grupo social.

É impensável que um gremista vá aceitar publicamente que “Copa Intercontinental” não é a mesma coisa que “Mundial de Clubes”.

Naturalmente, quando todos os manipulados contam a mentira da mesma forma, usando as mesmas palavras ou com os mesmos problemas de lógica, é porque o criador é a mesma pessoa. E está manipulando essas pessoas com algum objetivo questionável.

Quando alguma coisa é verdade o mais comum é cada um contar do seu jeito e ter pequenas divergências. Mas uma mentira não é assim. Ela é única por que teve alguém que a criou. Tipo Dom Quixote.

Já a verdade é o oposto. Ela é espinhosa e cada pessoa vê diferente. Cada fonte, cada site de notícia tem uma forma levemente diferente de relatar o que está acontecendo.

Se todas as notícias de portais forem totalmente iguais, com as mesmas palavras, em um assunto que deveria ser controverso há uma grande chance de ser uma manipulação.

 

Como exemplo, veja como os apoiadores de Lula e Dilma repetem a mesma história sobre o impeachment absolutamente legal de 2016. Ou como os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro costumam repetir exatamente a mesma narrativa para cada ato ilegal. Em ambos casos não há lógica interna. “Uma presidenta eleita democraticamente só pode sair pelo voto”, eles dizem. “O presidente tem direito a interferir na Polícia Federal”, os mesmos dizem.

Por outro lado, um bom exemplo de algo que não entendemos é como as pessoas explicam os eventos que aconteceram no Brasil em junho de 2013. Milhões de pessoas foram à rua protestar e hoje, 8 anos depois, os especialistas ainda tem dificuldade em encontrar os motivos.

Infelizmente, a mentira é confortável e fácil de repetir. Ela é organizada, poética, lírica como um conto de fadas. Já a verdade é complicada e cada pessoa vê de um jeito. A realidade é uma anarquia que ninguém entende completamente.

Na dúvida, se algo parece ser uma manipulação verifique você mesmo os dados. Pesquise no IBGE para opinar sobre o avanço na educação. Veja se o TCU de fato está investigando um determinado político.

Conclusão: Manipulação faz mal

Manipulação como fazerPessoalmente eu acho estranho quando pessoas honestas e queridas repassam sem dó informações que sabem ser falsas. Quando fazem isso, estão sendo manipuladas com algum objetivo. Muitas vezes, elas sabem que a informação é falsa, mas a repassam pura por que concordam.

“Se eu concordo com isso, como pode ser mentira?”

Infelizmente, os criadores das mentiras sabem o que as pessoas costumam pensar e montam suas mentiras usando essas confirmações. Pessoas com filhos pequenos tenderão a valorizar informações que falem de família. Pessoas mais idosas tendem a valorizar seu tempo. Homens jovens tendem a idolatrar pessoas que consideram viris. São tendências normais das pessoas usadas pelos publicitários com fins normalmente benignos e criminosos políticos.

A manipulação social tem sido usada há muito tempo para enganar as pessoas e tomar-lhes a liberdade e autonomia. Não precisamos disso no século XXI.

Estratégia? Como fazer? O que significa? Para que serve?

Estratégia é uma ideia bem difícil de definir. Eu gosto de pensar que é o oposto do que se falava naquele livro/filme “O segredo”. Lá, bastava você desejar algo com força que o universo iria trazer para você magicamente.

Então, estratégia na vida real funciona do jeito exatamente oposto. Você precisa fazer algo. E, ao contrário de O Segredo, uma boa estratégia funciona lindamente.

Estratégia em vídeo

Afinal, o que é estratégia?

Você já deve saber que a palavra tem uma forte associação com guerras, batalhas e comandantes militares. Isso por que ela vem do grego antigo em que significava literalmente “comandar uma tropa“. Era esse o significado.

Mas hoje o termo é bem mais abrangente.

A explicação mais comum é que estratégia se trata de um plano geral para atingir um ou mais objetivos. É o que você vai encontrar na Wikipedia.

Por exemplo, a estratégia para pagar as contas de uma casa normalmente inclui um emprego que paga um salário. Então seu plano se trata de trocar seu tempo útil por dinheiro e dessa forma viver sua vida, pagar suas contas, etc.

E isso você já sabia. Mas como criar uma estratégia que torne minha vida melhor e mais significativa?

Passo a passo para criar uma estratégia de vida

Eu gosto de dividir toda estratégia em 4 passos. Não é ciência de foguete, se você pesquisar a ferramenta de administração PDCA irá ver que é exatamente assim que funciona. Outras metodologias também se baseiam nisso, como Startup Enxuta e até o Scrum

O primeiro passo é saber o que você quer, uma meta. Afinal, o que você quer da sua vida ou do seu negócio? Você pode querer ter uma casa própria, ter filhos lindos ou mesmo unificar um país. São todos objetivos perfeitamente aceitáveis.

E por incrível que pareça, nem todo mundo sabe o que quer. Ou então quer muitas coisas a tal ponto que não consegue se concentrar. Isso é bem comum.

Uma boa meta inclui um objetivo atingível, que depende só de você, e um prazo realista. Por exemplo, quero emagrecer 10 quilos até o final do ano. A meta é realista se estivermos em janeiro, mas difícil de cumprir se for novembro.

Agora que você sabe o que você quer, você precisa pensar em como vai fazer.

O segundo passo é elaborar mais de um plano. Sim, mais de um. No caso de comprar uma casa própria você pode por exemplo decidir viver em um aluguel baratíssimo, morar de favor, na rua, passar alguns anos trabalhando em cruzeiros para economizar tudo o que for possível até conseguir ter o montante para comprar seu lar.

Ou você pode financiar tudo de uma vez usando subsídio do governo e se endividando por 35 anos.

Nesse ponto você deve comparar as várias possibilidades e pesar qual é mais interessante para você.

Estabeleça critérios objetivos para comparar os planos. Coisas como facilidade para fazer, interesse e necessidade. Afinal, você pode estar precisando de uma casa nova agora e não daqui a 15 anos.

Um casal jovem talvez prefira economizar o máximo até poder comprar seu imóvel e então ter filhos. Ou se já estão planejando filhos, pode preferir financiar o máximo possível.

O importante nessa segunda etapa é comparar as várias formas possíveis de chegar no seu resultado. E escolher qual será o primeiro plano a ser seguido.

O terceiro passo é a ação. Agora chega de pensar e está na hora de tirar a bunda da cadeira, desligar a Netflix e começar a agir.

Se você quer comprar uma casa, comece a economizar conforme seu plano. Se você quer ser magra, comece o regime que você considera mais adequado. Comece. Faça. Agora.

O quarto passo é o mais difícil. É a etapa de controle. É onde maior parte das pessoas se perde. Pense assim, seu regime está funcionando? Você está perdendo peso? Está conseguindo economizar como planejava?

Não seja pessimista com o controle. Ele é bom e seu amigo. O seu problema na verdade é seu plano que é ruim ou está sendo mal executado. 

Muitas pessoas abandonam sua estratégia quando percebem que não irão conseguir chegar no objetivo. Ao invés disso, troque de plano! O regime não está funcionando? Troque de regime. Seu político preferido não acabou com a corrupção? Troque de político!

Não se apegue a coisas. Apegue-se aos seus sonhos e objetivos!

Uma boa frequência de controle é mensal, mas cada estratégia tem uma forma ideal de fazer.

Fazer um plano não é uma estratégia. A estratégia e ter múltiplos planos

Muitas pessoas se enganam e confundem estratégia com o plano. Mas o plano você pode trocar infinitas vezes antes de abandonar seus sonhos, seus objetivos e metas.

3 dicas para melhorar sua estratégia

Agora que definimos como funciona estratégia de forma geral, vou dar algumas dicas de estratégias úteis para a sua vida e seu negócio.

Primeira dica: não dependa de apenas um plano

Nunca, nunca, nunca mesmo coloque todas suas fichas em apenas uma jogada. Por melhor que seja, tudo tem risco. Um bom exemplo é daquelas pessoas que idolatram Lula ou Bolsonaro. Elas colocam todas suas esperanças no futuro na capacidade de uma pessoa. E ainda por cima é de outra pessoa!

É loucura!

Veja, se você pode – e deve – trocar de plano várias vezes até atingir o objetivo, então isso vale para tudo. Se o seu restaurante não está mais dando lucro e você não sabe mais o que fazer, é um erro afundar todas suas economias ou até se endividar para salvar.

O objetivo de um negócio é pagar suas contas e manter sua família, se ele não está fazendo isso então é hora de trocar o plano, buscar um emprego ou mudar de ramo.

Normalmente é pior você se afundar a um plano ruim do que trocar de ideia e fazer outra coisa.

O fato é que os anos passam voando e logo as coisas mudam.

Segunda dica: nunca arrisque o que você não pode perder

Lembra do caso de MC Kevin que caiu de uma sacada em uma pegadinha dos amigos dele? Pois bem, ele arriscou a vida dele em uma brincadeira e morreu. A melhor estratégia do mundo acaba quando você morre.

Não tem sentido um plano lindo e maravilhoso em que você tem 0,1% de chance de morrer antes de completar. 

Se você só tem mil reais, não pode arriscar isso de forma alguma. Tem que dar um jeito de se virar de outra forma.

Terceira dica: nunca faça algo que não vá se orgulhar.

Essa é uma dica importantíssima. Muitas pessoas às vezes fazem planos que não lhe dão orgulho. Fazem negócios com pessoas desonestas, mentem, enganam parentes e amigos, ou até roubam. Sem querer entrar na questão moral disso, meu ponto é que cada um deveria fazer apenas o terá orgulho de ter feito.

Comprar uma casa para sua família com dinheiro de estelionato ainda é estelionato. E raras pessoas se orgulham de serem criminosas.

Tenha orgulho se você comprou sua casa limpando a casa dos outros. Tenha orgulho que emagreceu enquanto fazia entregas do ifood e rappi de bicicleta. Não importa o que você faça, desde que fique satisfeito com o que fez.

A vida é uma maratona e o caminho é muito mais importante que o destino. Os fins raramente justificam os meios. 

Conclusão: estratégia serve para tudo

Você já deve ter percebido que a estratégia é um processo que serve para tudo e qualquer coisa certo. Não é “planejar”, ao contrário é executar de forma sempre melhor.

  • Seu primeiro plano para emagrecer talvez seja uma porcaria.
  • O segundo plano para emagrecer só atingiu metade da meta. 
  • O terceiro plano te deu pressão alta e você teve que abandonar.
  • O quarto plano era meia boca, você só perdeu 1 quilo.
  • E aí você decidiu rever o primeiro plano e tentar novamente, com alguns ajustes. E tudo deu certo. Você atingiu sua meta.

Sua meta de emagrecer nunca mudou. Seu plano sim. Isso é uma boa estratégia que vale para tudo. 

Tudo o que é importante para você pode ficar melhor se você pensar estrategicamente. Então para que serve estratégia? Serve para você chegar onde deseja, conquistar o que sonha e que consiga buscar a felicidade do seu jeito.